segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Tentação Sem Limites - Capítulo Extra

Aviso: Não leia isto se você não leu Paixão Sem Limites e Tentação Sem Limites

(Isso não é um epílogo. É um capítulo bônus especial que leva ao 3º livro - Amor Sem Limites)



Grant


Era uma criança. Um bebê. O bebê do Rush. O quão louco isso soava? Isso era algo que eu nunca imaginaria ver. Rush, um pai, soava como a coisa mais ridícula do planeta. Claro que ele tinha sido como um pai para Nan a vida toda, mas isso era diferente. Isso era realmente um bebê.

Fique atrás do bar observando-o enquanto ele mostrava, para quem quisesse ficar parado tempo suficiente, as imagens que estavam na sua mão. Ele e Blaire tinham ido fazer uma daquelas coisas onde você vê o bebê em sua barriga. Agora, Rush estava armado com as fotos de seu filho e estava mostrando-as para o mundo. Quem acreditaria que uma mulher poderia torna-lo amável. Não que eu estivesse reclamando. Eu gostava do novo Rush. Ele tinha algo pelo que viver agora.

Eu estava agoniado para ir la fora e fumar escondido. Meus nervos estavam no limite. Eu liguei para Nan duas vezes nos últimos dois dias e ela ainda não tinha retornado minha ligações. Ela estava diferente desde que tinha sido liberada do hospital. Tudo estava diferente. Eu não estava bem com isso. E se ela continuasse com isso, eu iria atrás dela.

“O que pôs essa cara amarrada em você?” Blaire perguntou quando parou ao meu lado. Sua voz era sempre duvidosa. Você não conseguia saber se ela agiria como uma sulista fodona pra cima de você ou se ela falaria docemente até faze-lo ter pensamentos sujos ao ouvi-la.

Eu forcei os pensamentos em relação a Nan para fora da minha cabeça. Eu trataria dela mais tarde. Hoje a noite era sobre o meu irmão, sua noiva e o bebê que eles estavam trazendo a esse mundo em alguns meses. “Desculpe. Eu preciso fumar. Acho que está na cara.” Eu sussurrei. Blaire sabia meu segredo. Ela também sabia que Rush odiava que eu fumasse, por isso eu escondia. Uma pequena carranca apareceu em sua testa mas ela não me repreendeu.

“Esse bebê o prendeu de todos os jeitos. Ele é fascinante de assistir” Eu disse acenando em direção ao homem que ambos estávamos olhando enquanto ele recontava a história do bebê chutando durante o ultrassom.

“Eu nunca esperei isso dele... você sabe esse tipo de reação. Se eu já não o amasse completamente isso me faria ama-lo ainda mais” Ela respondeu com uma voz encantada.

“Fiquei sabendo que o casamento vai rolar em algumas semanas ao invés de alguns meses. Isso é empolgante.” Essa era outra coisa que me surpreendeu. Rush como um papai apaixonado era uma coisa mas Rush se casando era outra. O Cara estava sério com essa garota.

“Eu não quero parecer grande e gorda no meu vestido de casamento. Rush talvez mude de ideia se eu rolar pelo altar” O tom de brincadeira em sua voz estava mascarando um medo real. Eu podia dizer pelo jeito que sua voz falhava.

Eu tirei os olhos do meu irmão e me voltei para Blaire. “Eu espero que você esteja brincando. Porque nada pode fazer Rush correr de você. Você deveria saber disto. Ele te escolheu. Quando ele teve que escolher, foi você quem ele escolheu. Estou orgulhoso dele por ter pensando nele mesmo pelo menos por uma vez e ter pegado o que queria. Você é boa pra ele Blaire. Ele nunca teve ninguém para se importar com ele do jeito que você faz. Eu quero dizer... Eu o amo e tudo mais mas é diferente com você.”

Seus olhos encheram de lágrimas e ela fungou. Eu não queria chateá-la. Eu estava apenas sendo honesto. O cara precisava dela como precisava de ar. A vida dele tem sido sobre estar disponível para todos e aguentar a loucura que corre nas veias de sua mãe. Com Blaire ele estava apenas feliz. Eu gostava de vê-lo feliz.

“Não chore, por favor. Pense em mim e o quanto Rush vai me bater se ele me ver te fazendo chorar” eu implorei enquanto apertava gentilmente sua mão.

Uma pequena risada escapou de seus lábios e ela fungou de novo e então enxugou a lagrima que tinha escapado. “São lágrimas de felicidade. Estou chorando muito ultimamente. São os hormônios da gravidez.”

Blaire voltou seu olhos para Rush. A admiração neles me fez seguir seu olhar. Jimmy, um garçom do clube, estava flertando abertamente com Rush. Ele não estava falando sério. Ele sabia que Rush estava apaixonado e era óbvio que Jimmy adorava Blaire.

“Eu preciso ir resgatar o Rush. Jimmy tem a língua solta. Ele só faz isso para irritar o Rush. Eu não queria que você fumasse, mas se você precisa de um tempo eu vou te acobertar”, ela disse com um pequeno sorriso antes de ir ao encontro de Rush.



Woods


Rush Finlay estava realmente fazendo isso. Ele estava agindo como um pai orgulhoso. Eu estava contente. Ele deveria estar. Ele queria a garota e a ganhou. Eu não tinha nenhuma chance. Uma vez que ela estava gravida, eu nem queria uma chance. Eu só queria que Rush tomasse conta dela. Ela não deveria cuidar disso sozinha.

Blaire era como um pequeno e frágil passarinho que precisava de cuidados. Homens eram atraídos por isto. Inferno, eu fui atraído por isto. O gene masculino quer proteger. Mas a responsabilidade que vem junto não era algo que todos  nós queremos. Pelo menos não eu. Mesmo que signifique ganhar uma linda loira no pacote.

Eu preferia pagar por uma divertida e selvagem mulher que só quer passar o tempo. Agora isso era tudo o que eu precisava. Com o estresse que meu pai estava me causando por causa do emprego e a necessidade de me provar pra ele, eu não conseguiria lidar com uma mulher que fosse frágil. Mas eu precisava de uma distração. Uma distração sexy, de pernas longas e uma garota má.

Tomando um gole do Bourbon que eu me servi, andei pra fora da parte de trás do bar do clube em direção a Rush e Blaire. Já estava na hora de parabeniza-los propriamente e ver as fotos que eles estavam tão alegremente mostrando.

Os olhos verdes de Blaire se voltaram para mim enquanto eu me aproximava. Era difícil de não se perder neles. Esse foi meu primeiro erro com Blaire. Me encantar demais com sua aparência. A garota teve sorte com seus genes porque seu pai não era muito bonito.

“Deixe-me vê-lo”, eu disse a Blaire enquanto ela mostrava as fotos em sua mão. Eu não deixei de notar a forma como o braço do Rush deslizou envolta de sua cintura e a colocou mais próxima dele enquanto ele mudava o foco da sua conversa com Jace para me observar.

Ele era protetor ou até mesmo louco de ciúmes pela Baire. Talvez ambos mas eu não podia culpa-lo.

“Deixe-me ver esse bebê”, Eu disse novamente, pegando as fotos que ela segurava. Era surpreendentemente visível. Rush obviamente pagou para ter aquela coisa em 3D da qual ouvi falar. “Então é um menino. Você acha que consegue dar conta de dois Rushs Finlay?”, eu perguntei a Blaire.

Ela gargalhou “Sim, eu acho que eu consigo, só espero que ele seja tão lindo quanto o papai.”

Rush pigarreou “Eu não sou lindo, amor. Pare de me chamar assim.”

Blaire suspirou e balançou sua cabeça com exasperação “Você me disse para parar de chama-lo de bonito, você nunca me disse que não podia chama-lo de lindo.”

“Ambos estão fora dos limites,” ele respondeu

Blaire mudou o peso de um pé para o outro e o encarou. “Então como posso te chamar?”

Rush deu um sorriso torto “Quente ou fodidamente sexy. Qualquer um desses funciona.”

Blaire riu e deu um tapa em seu braço

Eu os invejava. Um pouco. Não o suficiente para querer o mesmo. Era trabalhoso. Eles tinham um mundo de problemas que estavam por vir. A mãe do Rush. Nan. Um recém- nascido. O pai de Rush. A dor de Blaire. O pai de Blaire. A lista continuava. Eu esperava que o futuro deles fosse feliz.

Mesmo que parecesse que eles tinham uma montanha de obstáculos no caminho.


Rush


Se eu não estivesse tão tomado por Blaire e o modo como ela iluminava o ambiente, eu teria visto ele entrar. Mas eu não tinha. Só percebi no momento em que a conversa envolta cessou e todos os olhos voltaram-se para a porta que estava atrás de mim. Olhando de relance para
Blaire que ainda estava conversando com Woods e não tinha notado a mudança no ambiente, eu fui até ela e a coloquei atrás de mim de forma protetora antes de me virar para ver o que tinha capturado a atenção de todos.

Os mesmos olhos de prata que eu via todos os dias no espelho estavam focados em mim. Fazia um tempo que eu não via meu pai. Normalmente ficávamos mais em contato mas com Blaire entrando no meu mundo e o mudando completamente seus eixos, eu não tinha tido tempo para procurar meu pai e conversar com ele.

Parecia que ele tinha vindo me procurar desta vez.

“Esse é seu pai”, Blaire disse silenciosamente atrás de mim. Ela se moveu de onde a tinha colocado atrás de mim e estava ao meu lado segurando meu braço.

 “Sim, é ele.”

Continua em AMOR SEM LIMITES - ABBI GLINES.
Sinta-se livre para pegar post's nossos, mas DEEM OS DEVIDOS CRÉDITOS!!




Nenhum comentário:

Postar um comentário