quarta-feira, 29 de junho de 2016

Deixe-me te contar uma história...




Era inverno de 1986 e eu tinha oito anos. O palco que tinha acontecido o concurso de beleza durante toda a noite mudou de repente, havia uma banda. Cinco... ou quatro... Não tenho a certeza... adolescentes encheram o palco. Não me lembro muito sobre aquela noite, exceto uma coisa Um menino loiro que tinha dezesseis anos naquele palco e eu tinha certeza que estava apaixonada por ele.

Meu pai era um professor na escola, então eu enviei minha mãe para pegar um autógrafo da banda. Não porque eles eram famosos, pois não eram depois daquela noite eles nunca tocaram novamente. Eles eram uma banda de rock simples do ensino médio. Mas aquele menino loiro ficou na minha cabeça para os próximos anos, então pendurei seu autógrafo na minha parede até me tornar uma adolescente.

O tempo passou e sempre que eu ouvia o meu irmão mais velho ou meu pai mencionar o nome do menino eu me agarrava a cada palavra. Sua vida foi de aventura. Fiquei fascinada pelo lugares que ele passou e adorava ouvir sobre ele.

Eventualmente eu cresci e segui em frente na vida.

Avançando rapidamente quatro anos atrás, recebi uma carta à mão do menino loiro que era agora um homem. Ele estava me parabenizando pelo meu sucesso. Ele também tinha um livro publicado e sabia como era difícil. Nós realmente nunca tínhamos nos falado antes. Eu ainda não o conhecia pessoalmente, eu era apenas a irmã mais nova de um velho amigo, mas ler suas palavras era como se estivesse fechando um capítulo da minha infância. Achei que nunca iríamos nos falar novamente.

Essa foi a história.

Este é o presente.

Em 1 de setembro de 2015 me separei do meu ex-marido e pedi o divórcio.

Em 1 de novembro 2015, ele começou a namorar abertamente uma mulher de sua igreja.

Até aquele momento eu não tinha namorado. Então eu usei sua decisão como uma desculpa para enviar uma carta para o homem que tinha me enviado uma alguns anos atrás. Ele não era mais o menino loiro da minha paixão de infância, mas um homem que compartilhava o meu amor pela escrita. 

Começamos com e-mail uma vez por semana sobre escrita, livros, e eventualmente a vida.

29 de novembro de 2015, eu estava dirigindo para casa em Nashville e parei durante a noite para ficar com a minha tia na cidade que eu tinha crescido. Perguntei-lhe se ele gostaria de ir jantar para finalmente nos conhecermos pessoalmente depois de todos estes anos.

Ele disse sim.

E como ele gosta de contar, seus sonhos se tornaram realidade naquela noite.

Ele ficou do meu lado todo o mês de Dezembro, enquanto eu estava sentada em um lar de idosos com a família assistindo a minha avó se ir lentamente.

Ele tornou-se constante na minha vida. Alguém com quem podia contar e eu sentia falta dele quando estávamos separados. Ele me fez sorrir e gargalhar, sem nunca esperar nada em troca.

Em Janeiro, quando ele estava ao meu lado no túmulo de minha avó dizendo tudo o que podia me fazer sorrir enquanto meu coração estava depedaçado, eu percebi que eu o amava. Era o real e verdadeiro amor, não a paixonite da menina de 1986. Então, quando eu descobri que eu estava grávida de um filho dele, eu não surtei ou entrei em pânico. Eu sabia que tudo ficaria bem. Quando eu lhe disse que íamos ter um bebê, seus olhos se encheram de lágrimas de alegria e isso era tudo que eu precisava saber.

Desde que eu entrei com o pedido de divórcio, eu tentei manter as coisas privadas mas abrir meu mundo aos meus leitores é uma parte da minha vida. Minha vida está mudando de tantas maneiras positivas que era hora de compartilhar com vocês. Nossa menina deverá chegar no dia 10 de novembro e, embora a situação possa parecer menos do que ideal para alguns, não podemos esperar para segurá-la em nossos braços. As coisas acontecem por uma razão e eu sou grata pelo dom de outra filha.



                                                Sua filha Annabelle Glines e uma amiga.

  
            Sinta-se livre para pegar post's nossos, mas DEEM OS DEVIDOS CRÉDITOS!!

                                                                     FONTE

2 comentários:

  1. Amei amei e amei.
    Merece virar livro.
    Que venha com muita essa menina e se ela vier mesmo no dia 10 será o diaque meu filho completa 8 anos.

    ResponderExcluir
  2. Que história linda!!! Perfeita para um livro ou filme!
    Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir